quarta-feira, 17 de janeiro de 2018

AVATAR

EM FEVEREIRO A GENTE VOLTA
COM TEXTOS INÉDITOS E OUTRAS NOVIDADES!
Até lá, continue com a gente,
refletindo sobre coisas que podem mudar o rumo da sua vida em 2018.

AVATAR
João Octávio Barbosa – Bento Ribeiro City - RJ

Jake Sully (Sam Worthington) é paraplégico. Ele é selecionado para participar do programa Avatar, que fica em Pandora, uma lua extraterrestre, onde encontra diversas e estranhas formas de vida. O local é também o lar dos Na'Vi, seres humanoides que, apesar de primitivos, possuem maior capacidade física que os humanos. Os humanos desejam explorar a lua, mas como são incapazes de respirar o ar de Pandora, criam seres híbridos chamados de Avatar. Eles são controlados por seres humanos, por meio de uma tecnologia que permite que seus pensamentos sejam aplicados no corpo do Avatar. Dessa forma, Jake pode novamente voltar a andar.¹


Com essa sinopse temos o desenrolar da trama do diretor James Cameron. Ele, que já era recordista de bilheteria mundial com “Titanic”, bateu o próprio recorde com Avatar, a primeira superprodução filmada com tecnologia 3D. A aventura mostra mais que apenas um entrave entre seres humanos e ETs, mas dialoga com causas ambientais, de respeito ao próximo, e até mesmo de realidade virtual.

Veja que interessante esse lance de ser um “avatar”. No filme, Jake praticamente troca de corpo. Enquanto seu limitado corpo sem movimento das pernas descansa numa câmara incubadora especial, a vida dele é vivida numa outra estrutura corpórea, o avatar azulão...


Talvez você já tenha visto coisas parecidas em filmes e novelas. E talvez essa seja sua crença para a vida após a morte. A nossa suposta alma, como uma entidade à parte que vive dentro da gente, seja algo que pode sair do nosso corpo, em caso de falecimento. A divulgação de notícias falsas é tão grande, que muitos de nós acreditamos que a Bíblia afirma isso.

Por osmose, muitos de nós passamos a crer que Deus fez o homem para ter uma alma imortal, que após o último suspiro da pessoa aqui na Terra vai diretamente para o Céu, ou o Inferno, ou, alguns dirão, o Purgatório. Outra versão diz que essa tal alma entra no corpo de outra pessoa que nasceu logo após morrermos, quem sabe até mesmo um animal.


O interessante é que a Bíblia não fala nada disso. De fato, logo nas primeiras frases do livro de Deus, Ele já deixa claro o que é a alma:

E formou o Senhor Deus o homem do pó da terra, e soprou em suas narinas o fôlego da vida; e o homem foi feito alma vivente. Gênesis 2:7

Atentando para as palavras do versículo, você percebe que o homem não passou a TER uma alma, e sim a SER uma alma. Pois é: alma não é algo que temos, é aquilo que somos. Vamos voltar a Avatar para ter um exemplo. Quando Jake “troca de corpo” para que sua consciência, seus pensamentos, seus sentimentos (ou seja, tudo que faz parte dele e não é físico) passem a viver dentro daquele Avatar azul, ele passa a SER aquele avatar azul. Aquele corpo paraplégico que esperava o fim daquele processo era o quê? Um corpo tecnicamente morto.


Assim é conosco. O que sobra de nós quando morremos? Nada além de um pedaço de carne, ossos, sangue e etc. E a nossa alma, você se pergunta? Que alma? Se estamos mortos, não há alma. Alma é a vida da gente. Você se lembra do que Deus falou em Gênesis? Somos alma enquanto temos (fôlego de) vida. Sem vida, não permanece alma.

SPOILER FINAL. Os Na’Vi, a muito custo, conseguem defender seu território. Ambientado e feliz com o privilégio de andar, Jake não vê motivo para voltar a seu corpo antigo. A tecnologia dessa ficção científica conseguiu tornar realidade essa transição corporal. Aqui no mundo real ainda é diferente.

Quando morremos, nós dormimos. Estamos alheios ao mundo ao redor, porque simplesmente não estamos mais lá. Aguardamos o destino final de nossa alma, que é o destino final de nossa vida: a volta de Jesus, onde uns serão ressuscitados para viver para sempre, e outros ressuscitarão apenas para morrer para sempre.


E (...) [os] que dormem no pó da terra ressuscitarão, uns para vida eterna, e outros para vergonha e desprezo eterno. Daniel 12:2

Já escolheu seu grupo?

Não peço que concordem, espero que reflitam!

_______________________________

Referência:

terça-feira, 16 de janeiro de 2018

CHEIO DE GRAÇA

EM FEVEREIRO A GENTE VOLTA COM TEXTOS INÉDITOS E OUTRAS NOVIDADES!
Até lá, continue com a gente, refletindo sobre coisas
que podem mudar o rumo da sua vida em 2018. 

CHEIO DE GRAÇA
Airton Sousa - Rio de Janeiro/RJ
Estou voltando do centro do Rio para casa e enquanto o trem que me leva da Central do Brasil corre seus trilhos, e eu vou rascunhando este texto, ouço pelo headphone do celular uma das mais belas músicas que ouvi nos últimos dias: “Graça!”

A graça é um ponto de encontro
Lugar onde os fardos se espalham no chão
Onde todo que chega cansado
Tranquilo descansa o seu coração
A graça se explica em uma cruz
Lá eu posso entender o que o Céu me traduz
A morte era a minha sentença
Mas agora sou livre em Jesus

Segundo a Wikipédia, Graça ”é um conceito teológico fortemente enraizado no Judaísmo e no Cristianismo, definido como um dom gratuito e sobrenatural dado por Deus para conceder à humanidade todos os bens necessários à sua existência e à sua salvação. Esta dádiva é motivada unicamente pela misericórdia e amor de Deus à humanidade, logo, movida por Sua iniciativa própria, ainda que seja em resposta a algum pedido a Ele dirigido. E também por esta razão, a Graça é um favor imerecido pelo Homem, mas sim fruto da misericórdia e amor divinos.
Dependendo das correntes teológicas cristãs, existem aqueles que defendem que a graça é irresistível; outros que a graça é somente para algumas pessoas escolhidas e totalmente predestinadas por Deus; e há ainda aqueles que acreditam que a graça é universal (ou seja, predestinada para toda a humanidade), mas que pode ser recusada livremente pelo Homem.”.


Toda a Bíblia está em harmonia perfeita quanto a este ponto: “Sereis salvos pela graça, por meio da fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus.”. (Efésios 2:8)

Li a história de um homem que parecia estar ficando cego e possuía poucos recursos para a cirurgia. No caso, ele só dispunha de três mil reais para a operação e o médico havia cobrado algo em torno de doze a quinze mil reais.
- Não sei se o senhor pode pagar, disse o oftalmologista. Não cobro menos que isso.
- Nesse caso, eu ficarei cego e permanecerei assim.
Ao que o médico respondeu:
- O senhor não pode chegar onde eu quero, nem eu posso descer onde o senhor quer. Mas há outro meio, disse o especialista. Eu posso fazer a cirurgia de graça.


É desse jeito que chegamos, cada dia, ao Grande médico e dizemos: - “Não tenho o preço do resgate, mas hoje eu me achego aos pés da Sua cruz.”.

Pecado não se explica, pecado se paga e Cristo pagou por mim."
Pois isto é Graça: é o resgate que já foi pago, de uma vida cheia de dúvidas e dívidas.

Graça simples assim
Perdão se recebe, se aceita e fim
Pecado não se explica
Pecado se paga
E Cristo pagou por mim


O trem já me traz de volta para casa e quando chega à estação de Paciência, enquanto faço movimentos para desembarcar, o fio do headphone se desencaixa do celular e o som, que estava alto, ecoa pelo trem... E todos os passageiros podem ouvir, então, o que eu estava ouvindo: “... e Cristo pagou por mim. Graça, Graça! Graça, simples assim...”.

E eis que estamos começando outubro e hoje eu tô cheio de Graça!

segunda-feira, 15 de janeiro de 2018

FROZEN

EM FEVEREIRO A GENTE VOLTA COM TEXTOS INÉDITOS E OUTRAS NOVIDADES!
Até lá, continue com a gente, refletindo sobre coisas
que podem mudar o rumo da sua vida em 2018. 

FROZEN
João Octávio Barbosa – Bento Ribeiro City - RJ

Let it go, Let it go, quase nada falei e você já pensou. Se você está entrando no nosso blog pela primeira vez hoje, saiba que toda quarta-feira tem esta coluna, ALERTA DE SPOILER, que comenta sobre um filme ou programa de TV, fazendo uma analogia no final com algo de caráter mais espiritual.

Obviamente, trabalhamos em cima de spoilers. Hoje, o primeiro foi o parágrafo acima, “spoileando” a própria coluna, inclusive. “Frozen” é o tema do dia. Animação da Disney, maior bilheteria mundial de seu gênero, essa adaptação do conto dinamarquês “A Rainha da Neve” estreou nos cinemas em 2013 e arrastou uma legião de fãs, criando uma nova franquia para o fanatismo infantil.


O roteiro gira em torno da relação de duas irmãs princesas escandinavas, sendo uma delas, Elsa, possuidora de poderes especiais relacionados ao gelo, neve e frio. Uma X-Man da Noruega. Por não ter total controle dos seus poderes, ela acaba se afastando da família. Ana, sua irmã, percorre longas jornadas em sua busca.

Em meio a muitos problemas e personagens secundários, conhecemos Olaf, e nele quero me concentrar nos próximos momentos. Olaf é um boneco de neve que ganha vida graças a Elsa. E o mais interessante a respeito dele é seu inocente desejo de ir para alguma região quente, de calor (algo nunca experimentado antes pela sua constante proximidade com Elsa, que torna congelantes todos os lugares em que passa).


O problema que Olaf ignora é que, por ser um boneco de neve, ele não resistiria com vida a algum lugar quente! Pobre Olaf... seu maior sonho é uma condenação à morte. Isso me faz lembrar daquela frase que talvez você já tenha ouvido: “Cuidado com o que você deseja; você pode acabar conseguindo.”.
        
Enganoso é o coração, mais do que todas as coisas.
Jeremias 17:9

Todos nós temos sonhos e planos para o futuro. E, na nossa mente, eles são sempre a melhor opção para a nossa vida. Nem sempre é assim; como Olaf nos ensina. Você mesmo (a) deve se lembrar sem muito esforço de antigos desejos que se realizaram só para lhe decepcionar. E deve se lembrar também de coisas que você não aceitava pensar em viver e que se tornaram grandes alegrias.


A liberdade, por exemplo, é algo que todos almejamos. Quando saímos da casa dos pais, aquela sensação de ser dono da própria vida... Mas é nessa hora que muitos veem as desvantagens dessa tal liberdade que o Raça Negra canta.

Pense na figura de Deus, em outro exemplo. Alguns consideram que Deus ditar algumas regras de certo e errado para nós, humanos, é algo autoritário e privativo de liberdade. Algo ruim, restritivo. Mas até que ponto as leis de Deus, descritas na Bíblia, são a nossa salvaguarda de padecer das “liberdades Olafianas” que iriam nos destruir?

Destruir nossa vida, nossa saúde, nossa família, nossa sanidade, nosso bem-estar, nosso respeito próprio e nosso senso de sociedade. Nosso direito acaba quando atinge o direito do outro. Nossa liberdade é dependente das cercas que a lei de Deus e dos homens nos impõem.


SPOILER FINAL. Elsa conseguiu dar um jeito para Olaf sobreviver mesmo no verão. E Deus dá o Seu jeitinho para que possamos nos sentir livres em meio às supostas restrições da liberdade que viver em sociedade nos obriga.

Porque eu bem sei os pensamentos que tenho a vosso respeito, diz o Senhor; pensamentos de paz, e não de mal, para vos dar o fim que esperais.
Jeremias 29:11

Nosso poder de escolha e liberdade só vai estar seguro do mal quando estiver nas mãos de Deus. Confie não em mim, mas nEle! Se quiser falar conosco sobre como viver isso na prática, escreva um comentário aqui no blog ou na nossa página do Facebook. (https://www.facebook.com/entaoserve)

Não peço que concordem, espero que reflitam!

domingo, 14 de janeiro de 2018

MEU BEM, MEU MAL


EM FEVEREIRO A GENTE VOLTA COM TEXTOS INÉDITOS E OUTRAS NOVIDADES!
Até lá, continue com a gente, refletindo sobre coisas
que podem mudar o rumo da sua vida em 2018. 


MEU BEM, MEU MAL
Pamela Henriques Moreira - Angra dos Reis/RJ

"... Dentro de nós temos o bem e o mal, acredito que todo ser humano. Só que vai se sobressair o que nós alimentarmos mais." 1

Essa foi uma frase interessante que ouvi durante a entrevista de um rapaz que, quando jovem e marginalizado, encontrou alguém que fez com que ele desistisse de seus caminhos errados.

Na semana passada, falei sobre Deus conhecer nossa natureza, sobre Ele saber exatamente o que passa em nosso coração. A Bíblia fala bastante sobre a guerra entre o bem e o mal, o Grande Conflito. Muitas vezes temos nossos próprios conflitos, e não estou falando de meras indecisões como: que roupa sair, que penteado usar. Estou falando daquelas guerras internas, que só você e seu Deus conhecem, aquela luta diária que o faz pensar que não há mais jeito, que você está perdido.


Lembre-se de que você não está só! E não falo somente de ter um Deus que o ampara, mas porque todos temos nossos conflitos, essa guerra invisível que enfrentamos.

"Pois eu sei que aquilo que é bom não vive em mim, isto é, na minha natureza humana. Porque, mesmo tendo dentro de mim a vontade de fazer o bem, eu não consigo fazê-lo. Pois não faço o bem que quero, mas justamente o mal que não quero fazer é que eu faço. Mas, se faço o que não quero, já não sou eu quem faz isso, mas o pecado que vive em mim é que faz." Romanos 7:18-20

O mal existe e nem sempre é tão invisível assim. Vemos como a sociedade está corrompida, atrocidades realizadas por homens "de bem", muitos tormentos e tristezas. O domínio próprio parece escapar pelas mãos, assim como o apóstolo Paulo fala no livro de Romanos: "mesmo tendo em mim a vontade de fazer o bem, eu não consigo fazê-lo".

Mas a Bíblia é recheada de esperanças e promessas. É fácil perceber o amor de Deus por Seus filhos e o quanto Ele nos ajuda a vencer os pecados, a combater nossos males.

"No demais, irmãos meus, fortalecei-vos no Senhor e na força do seu poder. Revesti-vos de toda a armadura de Deus, para que possais estar firmes contra as astutas ciladas do diabo; porque não temos que lutar contra carne e sangue, mas, sim, contra os principados, contra as potestades, contra os príncipes das trevas deste século, contra as hostes espirituais da maldade, nos lugares celestiais." Efésios 6:1-12

Nessa luta, só venceremos se tivermos Jesus do nosso lado e deixarmos o Espírito Santo nos guiar.

"Quero dizer a vocês o seguinte: deixem que o Espírito de Deus dirija a vida de vocês e não obedeçam aos desejos da natureza humana. Porque o que a nossa natureza humana quer é contra o que o Espírito quer, e o que o Espírito quer é contra o que a natureza humana quer. Os dois são inimigos, e por isso vocês não podem fazer o que vocês querem. Porém, se é o Espírito de Deus que guia vocês, então vocês não estão debaixo da lei." Gálatas 5:16-18

Na frase do rapaz, durante a entrevista, ele disse que vai sobressair aquilo que alimentarmos mais - o bem ou o mal. Qual o nosso alimento espiritual? Será que temos buscado a Deus para receber força e poder para vencer o mundo e seus males?


Não sei qual a sua dificuldade em buscar a Deus, não sei por que às vezes nos afastamos de nosso Pai Celestial. Mas seja qual for o motivo que só você e Ele conhecem, busque e peça orientação do Santo Espírito. Sozinhos não somos fortes o bastante; essa luta não é só nossa.

Sejamos perseverantes e busquemos sempre ao Espírito Santo para ter alegria, paz, paciência, delicadeza, bondade, fidelidade, mansidão e domínio próprio. (Gálatas 5:22)

Semana que vem estaremos juntos novamente, mas confira aqui no Blog os textos diários e tenha o alimento para fortalecer sua fé.

__________________________________



Referência:

Fantástico – Rede Globo de Televisão – “Veja como palavras de um professor fizeram um jovem desistir de matar” – Disponível em: http://g1.globo.com/fantastico/edicoes/2017/01/15.html#!v/5579249 - acessado em 19.01.2017

sábado, 13 de janeiro de 2018

OUÇA O BRILHO

EM FEVEREIRO A GENTE VOLTA COM TEXTOS INÉDITOS E OUTRAS NOVIDADES!
Até lá, continue com a gente, refletindo sobre coisas
que podem mudar o rumo da sua vida em 2018. 

OUÇA O BRILHO
Jackson Valoni - Angra dos Reis/RJ

Eu já estava acostumado a chegar do trabalho e ver minha esposa em casa, me esperando. Durante algum tempo pude ter esse privilégio. Foi um período agradável. Durante dois meses vimos filmes, dormimos tarde, almoçamos sem pressa. Enquanto eu estava no trabalho, ela arranjava alguma coisa pra arrumar dentro de casa. Até parede ela pintou!

Ela passou por uma cirurgia e teve que ficar em repouso por 60 dias (mas, na realidade, ela não sossegou hora nenhuma). Como se não bastasse a licença médica, coincidentemente nossas férias deram início ao término daqueles 60 dias de convalescência. Assim, aproveitamos mais um período sabático que, pela definição do Jô Soares, é um momento para pessoas preguiçosas fazerem nada. Foi o que fizemos, na medida do possível.

Durante todo esse tempo em que minha esposa esteve em casa, não produzi muito. Li pouco, escrevi pouco, resolvi poucas coisas. Estou com muita coisa pra terminar. Parece que, quando meu corpo relaxa, a noção de responsabilidade relaxa junto. Tudo tira minha atenção. Ultimamente tenho utilizado protetor auricular dentro de casa. Preciso abafar todos os ruídos que possam interferir na minha concentração, e os sons que tiram minha concentração são: televisão, celular, música e Pamela (minha esposa).

Obrigado, inventor do protetor auricular.

Neste exato momento em que estou digitando há silêncio na minha casa. É uma sensação diferente... Estou há quase três meses sem ouvir o barulho do motorzinho do filtro de água na cozinha!


“Por toda a terra se faz ouvir a sua voz, e as suas palavras, até aos confins do mundo.” Salmos 19:4

A voz de Deus, conforme ensina o salmista, e é reafirmado pelo apóstolo Paulo em sua carta aos romanos (Romanos 10:18) é impossível de ser evitada.

Numa palestra muito descontraída que o falecido escritor Ariano Suassuna fez, em determinado momento ele revela a maneira como conheceu sua esposa, Zélia. Num certo ponto da história ele conta, de uma forma muito romântica e lúdica, sobre um fenômeno jamais visto por ele: enquanto caminhava pela rua, à noite, uma luz irradiou e tomou conta daquele espaço. Até que ele revela: era a “figura radiosa”, cujo brilho emanava dos olhos.

Quando vi esse depoimento apaixonado me lembrei do sorriso da minha esposa e, tomando emprestado um adjetivo que Suassuna utilizou naquela palestra, eu vejo um sorriso de esplendor todos os dias.

O brilho de Deus contagia e Sua voz, possui uma chama que conforta a todos. Você pode ser usado para transformar a vida de alguém. Veja só:

“Porque todo aquele que invocar o nome do Senhor será salvo. Como, porém, invocarão aquele em quem não creram? E como crerão naquele de quem nada ouviram? E como ouvirão, se não há quem pregue?” Romanos 10:13, 14

Vou terminando por aqui; ela acabou de chegar.

Ouça a voz e pregue.

sexta-feira, 12 de janeiro de 2018

SIM, A GENTE CHORA.

EM FEVEREIRO A GENTE VOLTA COM TEXTOS INÉDITOS E OUTRAS NOVIDADES!
Até lá, continue com a gente, refletindo sobre coisas
que podem mudar o rumo da sua vida em 2018. 


SIM, A GENTE CHORA.
Denize Vicente – Cidade (ainda) Maravilhosa/RJ

Você viu a chuva de terça-feira. Onde eu moro caíram gotinhas. A uns quilômetros daqui foi quase um dilúvio. Gente perdeu casa, perdeu bens. Vidas quase se perderam na correnteza. Desabamentos. Mas passou. Oficialmente, “o Rio passou no teste da chuva”1. Será? Eu só sei que choramos...


Há poucas semanas, no começo deste mês, Jackson estava sofrendo a dor de perder sua tia – coração puro, um ser bondoso e amável, que viveu como Jesus viveu, mas que partiu depois de muito sofrimento com uma doença que dilacera o nosso coração e nos comove sempre que faz mais uma vítima... Choramos junto a dor que ele sentiu.

Faz alguns meses, quase todos os passageiros e tripulantes de um avião que levava um time de futebol para jogar no exterior morreram, e a gente se viu chorando por famílias e sonhos que ficaram despedaçados...

São muitas coisas tristes... Você tem suas particulares histórias de lágrimas também, eu sei.


Mas um dia se segue ao outro dia. O desespero do ontem, às vezes manifestado com gritos de horror e agonia, dá lugar aos poucos a um silêncio doído, um choro quieto e amargo. Nessa hora nada acalma o coração, a não ser o pensamento em Deus - Aquele que conhece o fim desde o princípio - o Único capaz de enxugar nosso pranto. E eu nem sei como. Há muitas coisas que não se explicam, neste mundo. E mesmo quando explicadas não se justificam. Não são justas. Não podiam ter acontecido. Não. E não. Nunca. A fé, num Deus que não nos abandona, jamais, e que tem braços de amor do tamanho do mundo, para nos abraçar, serve de amparo e consolo quando tudo falha. E se você não crê nisso, tudo fica ainda muito mais difícil... E pensando nisso foi que me lembrei deste texto do Rubem Alves. E quero compartilhar com você.
Os trinta e três nomes de Deus2
De vez em quando perguntam-me se acredito em Deus. Mas é claro. Acredito mais que a maioria das pessoas. Tenho até trinta e três nomes para ele. Esses nomes foi a Margueritte Yourcenar que me contou. Ela foi uma escritora maravilhosa, autora do livro Memórias de Adriano, quem lê nunca mais esquece, quer ler de novo. Pois esses são os trinta e três nomes de Deus que ela me ensinou. É só falar o nome, ver na imaginação o que o nome diz, para que a alma se encha de uma alegria que só pode ser um pedaço de Deus... Mas é preciso ler bem devagarinho... 1.Mar da manhã. 2.Barulho da fonte nos rochedos sobre as paredes de pedra. 3.Vento do mar de noite, numa ilha... 4.Abelha. 5.Voo triangular dos cisnes. 6. Cordeirinho recém-nascido.... 7.Mugido doce da vaca, mugido selvagem do touro. 8.Mugido paciente do boi. 9. Fogo vermelho no fogão. 10.Capim. 11.Perfume do capim. 12.Passarinho no céu. 13.Terra boa... 14.Garça que esperou toda a noite, meio gelada, e que vai matar sua fome no nascer do sol. 15. Peixinho que agoniza no papo da garça. 16. Mão que entra em contato com as coisas. 17.A pele, toda a superfície do corpo 18. O olhar e tudo o que ele olha. 19.As nove portas da percepção. 20.O torso humano. 21.O som de uma viola e de uma flauta indígena. 22.Um gole de uma bebida fria ou quente. 23.Pão. 24.As flores que saem da terra na primavera. 25.Sono na cama. 26. Um cego que canta e uma criança enferma. 27. Cavalo correndo livre. 28.A cadela e os cãezinhos. 29.Sol nascente sobre um lago gelado. 30.O relâmpago silencioso. 31. O trovão que estronda. 32.O silêncio entre dois amigos. 33.A voz que vem do leste, entra pela orelha direita e ensina uma canção...
Agradeço ao Carlos Brandão por haver me apresentado os trinta e três nomes de Deus da Margueritte. Não é preciso que sejam os seus. Faça a sua própria lista. Eu incluiria: Ouvir a sonata Apassionata de Beethoven. Sapos coaxando no charco. O canto do sabiá. Banho de cachoeira. A tela “Mulher lendo uma carta”, de Vermeer. O sorriso de uma criança. O sorriso de um velho. Balançar num balanço tocando com o pé as folhas da árvore... Morder uma jabuticaba... Todas essas coisas são os pedaços de Deus que conheço... Sim, acredito muito em Deus.
Rubem Alves - Quarto de Badulaques (LXXX)

As lágrimas de solidariedade que choramos, as lágrimas que derramamos pelo sofrimento de amigos ou de desconhecidos que nunca vimos, mas que não queríamos que experimentassem a angústia e a aflição, o desabrigo, a perda dos seus bens materiais e de bens maiores, como de entes queridos... para mim também são pedaços de Deus que eu conheço. “Sim, acredito muito em Deus.”


____________________________________

Referências:

1.    A cidade do Rio passou no teste da chuva? – disponível em: https://oglobo.globo.com/rio/a-cidade-do-rio-passou-no-teste-da-chuva-21505097 - acessado em 21.06.2017.

2.    Rubem Alves – Crônicas - disponível em www.institutorubemalves.org.br/ - acessado em 21.06.2017.
 

quinta-feira, 11 de janeiro de 2018

UM DE NÓS

EM FEVEREIRO A GENTE VOLTA COM TEXTOS INÉDITOS E OUTRAS NOVIDADES!
Até lá, continue com a gente, refletindo sobre coisas
que podem mudar o rumo da sua vida em 2018. 

UM DE NÓS 
Airton Sousa - Rio de Janeiro/RJ

Ele sentou ao meu lado e ficou em silêncio durante muito tempo.

Havia perdido o melhor amigo, assassinado - e muito jovem também (assim como ele, 18 anos de idade). Assassinato covarde, briga de trânsito.

Fiquei ao lado dele e pedia a Deus que colocasse as palavras apropriadas em meus lábios. Eu não podia simplesmente dizer “sinto muito”. Não... A gente nunca sente o suficiente. A gente não sabe. A dor é grande e insuportável, e se sente sozinho. As lágrimas lutavam para sair. Sua voz tremia, quebrada pelo vulcão da dor que martelava seu coração. Finalmente conseguiu falar:

- "É uma coisa difícil de explicar, um sentimento que mata aos poucos. É uma falta tremenda... Não consigo acreditar! Quanto mais eu penso em alguma justificativa, mais eu fico indignado. Toda hora me pego pensando e dizendo baixinho: Volta, mano, volta! Será que tudo isso que eu estou sentindo vai passar? Não sei... Só sei que dói muito, é insuportável e eu não consigo ficar bem. Eu queria muito que Deus me falasse alguma coisa... qualquer coisa...”.

Hoje, o dia em que estou escrevendo este texto, é o “Dia de Finados”, aqui no Rio, e eu me lembrei desse amigo e dessa ocasião. Na hora eu não sabia o que dizer...

Tenho visto muito disso, ultimamente. As pessoas duvidam, questionam, e cada vez mais se sentem solitárias. Desistem da vida, do mundo. Ontem eu fiquei estarrecido quando soube que uma senhora aqui do meu bairro se jogou da passarela na linha do trem e morreu. A foto do seu corpo dilacerado foi estampada nas redes sociais e eu a conhecia. Meus vizinhos contaram que era uma pessoa muito querida aqui na vila. No final de tudo, o silêncio. O respeito aos mortos, o abraço aos enlutados, e cada um sente a dor, cada um do seu jeito.

Eu queria que Deus falasse.

Deus fala!

Deus sabe como você se sente.

“Porque não temos um sumo sacerdote que não possa compadecer-se das nossas fraquezas; porém, um que, como nós, em tudo foi tentado, mas sem pecado.” Hebreus 4:15

Ele foi um como nós. Ele próprio participou de todos os sofrimentos. Todas as dores. Os estresses, e ansiedades, e insônias.

Traição? Seu melhor amigo O traiu.

Rejeição? Seu outro melhor amigo O negou.

Solidão? Seus amigos O deixaram sozinho e foram dormir.

Morte? Ele sentiu o gosto.

E, posto em agonia, orava mais intensamente. E o seu suor tornou-se em grandes gotas de sangue, que corriam até ao chão. (Lucas 22:44 )


Ele foi ferido e oprimido para que pudéssemos ter paz. “Tomou sobre si as nossas dores e enfermidades (Isaías 53:5). Tirou toda nossa miséria e a colocou sobre os seus ombros. Calou-se para que pudéssemos ter o direito de falar com o Pai e chorou para que pudéssemos cantar.

Morreu para que pudéssemos ter vida.

Ele tornou-se um de nós, para que quando você estiver triste, perturbado, possa recorrer a Ele e permitir que Ele o cure. Espero que você nunca se esqueça disso.

Jesus sabe como você se sente em cada circunstância de sua vida, mesmo que você ache que está sozinho, mesmo que você não acredite. Ele ama você e pagou um preço muito alto para levá-lo de volta para casa.

quarta-feira, 10 de janeiro de 2018

HOUSE

HOUSE
João Octávio Barbosa – Bento Ribeiro City - RJ

A maioria de vocês já ouviu falar e outros muitos são verdadeiros fãs da série americana de TV, “House”. Estrelada e personificada pelo ator Hugh Laurie, o programa estreou em 2004 e durou até 2012. O Dr. Gregory House, além de dar nome ao show, trabalhava como chefe de uma equipe médica especializada em decifrar difíceis diagnósticos.


Havia na série uma boa mistura entre a eterna tensão de uma investigação criminal contra a causa da doença e as divertidas e/ou emocionantes relações pessoais entre equipe médica e/ou pacientes. Muito “e/ou” nesse parágrafo, acho que não vai passar pela revisão...

House é um excelente médico, mas uma pessoa muito fechada. Evita seus pacientes ao máximo. E sempre desconfia deles. Uma premissa de toda a série é a frase: “Todo mundo mente, mas os sintomas não mentem”. De fato, a maioria dos episódios se revela como grandes tramas de mistério, onde omissões e mentiras dos pacientes precisam ser descobertas pela sagacidade de House e seus pupilos.


Eu me deparei com a série há poucos anos. Assisti e assisto as reprises que a TV fechada mostra diariamente. Eu acho fascinante. O roteiro é muito bem desenhado e envolvente. Mas o maior chamativo para mim é House. A forma como ele sempre está certo. A despeito de todos os seus métodos bizarros, sua indiferença, sua distância de tudo e de todos, ele SEMPRE está certo. Sobre tudo.

Ele olha nos olhos dos pacientes e vê ali a mentira. Olha para sua equipe e descobre o segredo de cada um. Olha para seus colegas, e fica sempre à frente de quem quer lhe enganar. Olha para a doença e, mesmo sem vê-la, a derrota.

Você não enxerga defeito nele. Ele nunca falha, ele nunca erra. E apesar das pessoas ao redor constantemente afirmarem o contrário, House é, sim, na série, Deus. Sua “mania” de estar sempre certo é indubitavelmente sobre-humana.


A Bíblia afirma o seguinte em I Samuel 16:7:
“O Senhor não vê como vê o homem. O homem vê o exterior, porém o Senhor vê o coração.”

House usava de seu conhecimento médico para decifrar doenças que não estavam aparentes, e também fazia uso de sua perspicácia para decifrar os segredos das pessoas de seu conhecimento; porém, existe um Deus acima de nós que faz isso desde sempre.


“Mas o mesmo Jesus não confiava neles, porque a todos conhecia;
E não necessitava de que alguém testificasse do homem, porque ele bem sabia o que havia no homem.” João 2:24, 25
        
No início do mês passado tivemos o “dia da mentira”. É certo que todos mentem, como dizia House. Mas além da tela da TV onde o médico House destilava toda sua sabedoria sobre o coração humano, aqui, no mundo real, também temos Alguém que nos desvenda.

Num mundo de aparências, a verdade não pode ser escondida de Jesus. Ele conhece os seus pensamentos, suas intenções, seus sentimentos. Ele está disposto a perdoar você pelo que está errado na sua vida, e ao mesmo tempo ajudar a realizar seus desejos mais íntimos, caso isso seja realmente bom para você e os demais, e esteja de acordo com a vontade dEle.

SPOILER FINAL. Conforme as temporadas vão passando, House vai se enrolando nas próprias polêmicas. Chega a ser preso, além de estar constantemente sob a ameaça de perder sua licença médica. Fica sabendo então que seu melhor (único?) amigo tem câncer terminal. Num último capítulo sensacional da série, ele forja sua morte e, sem compromisso com ninguém, por estar “morto”, sai por aí numa viagem sem rumo com seu amigo que busca se despedir da vida se divertindo.


O Sherlock Holmes da medicina não pôde fazer nada pelo seu grande amigo Dr. Wilson. Terminou a série impotente, mas livre. Afinal de contas, teve que se contentar em não ser Deus. A gente não precisa se contentar assim.

O Deus que eu creio existe e traz a cura. Física e emocional. Trabalhista e financeira. Familiar e conjugal. Completa e irrestrita.

Todo mundo mente. Ninguém para Deus.
Vem?

Não peço que concordem, espero que reflitam!

"Nada mais vai me ferir
É que já me acostumei
Com a estrada errada que eu segui
Com a minha própria lei
Tenho o que ficou
E tenho sorte até demais
Como eu sei que tens também"
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...