sábado, 25 de março de 2017

FILME EMPRESTADO

FILME EMPRESTADO

Jackson Valoni – Angra dos Reis /RJ

Vi um filme que peguei emprestado com uma amiga. Não concorreu ao Oscar. Meu amigo João, da coluna "Alerta de Spoiler", poderia fazer uma bela resenha sobre ele.

O filme em questão se chama "Apóstolo Pedro e a Última Ceia", de 2012. Tive vontade de mencioná-lo porque fiquei incomodado com uma pequena fala do filme, que faz toda a diferença na caminhada de qualquer pessoa para o Céu. Também tomei a liberdade de falar sobre isso porque durante a semana em que vi o filme estudei sobre o papel do Espírito Santo e a igreja.


Bem, tentei esquematizar meu raciocínio em alguns pontos muito simples:

1) Jesus é o corpo da igreja. Jesus é o cabeça da igreja! Efésios 1:22, 23

2) Os dons servem para edificar o corpo de Jesus (que é a igreja). Efésios 4:12

3) Somos parte do corpo de Jesus/igreja. I Coríntios 12:27

4) Somos (a igreja) edificados/construídos/formados a partir de Jesus, a pedra angular. Efésios 2:19-22

5) A igreja é edificada sobre a pedra, cujo fundamento é Jesus. I Pedro 2:6, 7; I Coríntios 3:11

6) Jesus é a base da igreja. Mateus 16:18 (Esse verso é o ponto de divergência do filme. Dar a outro ser, que não seja Cristo Jesus, a titulação de "fundamento da igreja" é perigoso)

7) Já que somos parte da igreja, somos sustentados por Jesus, para que o Espírito Santo habite em nós. Efésios 2:22

8) O Espírito Santo, que habita em nós em maior ou menor porção, é o guia dos filhos de Deus. João 16:13

9) Jesus enviou o Espírito Santo para que pudéssemos ter acesso a Deus. Efésios 2:18

Quando a igreja pedir orientação do Espírito Santo, estaremos mais perto de Deus e Jesus estará mais perto de voltar, porque assim a igreja (eu e você) será guiada e orientada pelo Céu.

"Se Deus é por nós, quem será contra nós?" Romanos 8:31


sexta-feira, 24 de março de 2017

A MENTIRA TEM PERNA CURTA


A MENTIRA TEM PERNA CURTA
Denize Vicente - Cidade Maravilhosa/RJ 

Vida curta, perna curta... Ai, mentira, você não dura!

 

Você já ouviu a história da dona de casa que foi comprar um frango e pediu ao moço um que tivesse dois quilos? Pois foi assim. Ela entrou no açougue e pediu. Acontece que só havia um frango, o último, e ele pesava 1,900kg. Então o moço disse: - “Este aqui é o último frango, senhora. Mas, infelizmente, só pesa um quilo e novecentos gramas. Mas eu acho que cem gramas a menos não fazem muita diferença...”. Só que faziam sim. E ela respondeu: - “Poxa, que pena... eu preciso fazer uma receita megaespecial, e o frango tem que pesar exatamente dois quilos. Vou ter que procurar em outro açougue.”.

Na mesma hora o açougueiro “se lembrou” de que tinha mais um frango no outro frigorífico, e pediu que a senhora esperasse um minutinho. Aí, você já sabe o final da história: ele levou o frango lá pra dentro e voltou com o mesmo frango. Colocou o bichinho pra pesar na balança e, “esperto”, disse: “Pronto! Exatamente dois quilos. Que bom, né?”.

Só que esse ainda não era o final da história... Sabe como terminou?

- “Obrigada!”, disse a senhora. “Estou tão agradecida que decidi levar os dois frangos!”


Os lábios que dizem a verdade
permanecem para sempre,
mas a língua mentirosa
dura apenas um instante.


Lição do dia: diga a verdade; odeie a mentira, a despeito das vantagens e dos benefícios que ela possa lhe trazer. Um homem honesto sempre fala a verdade. E o mundo precisa de pessoas honestas. Não importa se você é o dono do mercadinho, o empregado que organiza o setor de hortifrúti, o diretor-presidente da uma multinacional, o advogado de alguém que tem muito ou pouco dinheiro; não importa se você é deputado, vereador ou só eleitor, se você é estudante, professor, se você tem pós-graduação ou se só sabe ler o básico... o mundo, o Brasil, sua cidade, seu bairro, seu círculo de amigos e sua casa precisam de você sendo honesto. 


Deus é o Deus da verdade. Ele odeia a mentira e os mentirosos:


Existem sete coisas que o Senhor Deus detesta e que não pode tolerar:
o olhar orgulhoso,
a língua mentirosa,
mãos que matam gente inocente,
a mente que faz planos perversos,
pés que se apressam para fazer o mal,
a testemunha falsa que diz mentiras
e a pessoa que provoca brigas entre amigos.



Esse negócio de mentira, gente, não é de Deus!

Pense bem.

quinta-feira, 23 de março de 2017

AGENDA DO DIA


A confiança plena faz com que você entregue sua agenda do dia nas mãos de Deus, com a certeza de que os horários (tempo) dEle são perfeitos para tudo o que você deseja, espera, e para tudo o que virá.

Essa confiança plena se chama fé. E é o que de melhor você tem para aprender hoje. A fé não vem por herança nem está à venda. É com o tempo que você aprender a confiar plenamente em Deus. E hoje é um dia perfeito para (re)começar.

“A fé é a firme certeza das coisas que se esperam; é a evidência daquilo que ainda não vemos.”


“Meus irmãos, sintam-se felizes quando passarem por todo tipo de aflições. Pois vocês sabem que, quando a sua fé vence essas provações, ela produz perseverança. Que essa perseverança seja perfeita a fim de que vocês sejam maduros e corretos, não falhando em nada! Mas, se alguém tem falta de sabedoria, peça a Deus, e ele a dará porque é generoso e dá com bondade a todos. Porém peçam com fé e não duvidem de modo nenhum, pois quem duvida é como as ondas do mar, que o vento leva de um lado para o outro. ” Tiago 1:2-6

quarta-feira, 22 de março de 2017

TITANIC


TITANIC
João Octávio Barbosa – Bento Ribeiro City - RJ


No início do século passado foi construído um navio com a fama de indestrutível. Mas não foi bem assim que funcionou. E em 1997, o drama do Titanic virou um blockbuster digno de 11 estatuetas do Oscar! O filme figurou como recordista de bilheteria mundial por anos, e ainda consta como 2° lugar. Foi um divisor de águas na carreira de Leonardo di Caprio. E até hoje está na memória de muitas pessoas.

Nesse momento convido você a ouvir o clipe abaixo enquanto lê o restante do texto.


O filme retrata o drama do naufrágio do navio em detalhes. Milhares de pessoas que depositaram sua confiança na viagem acabaram falecendo na tragédia. Uma das lendas que envolvem o Titanic é a declaração de que nem Deus afundaria a embarcação. Essa frase não tem comprovação histórica, de acordo com o que pesquisei, mas, de fato, ninguém esperava o naufrágio, ainda mais na viagem inaugural, de um navio tão imponente.

Já está ouvindo a música? Então, ela fala sobre uma embarcação que não naufraga. Como seria bom para os amigos de Jack e Rose ter essa segurança!

Como é a sua vida? O navio da sua vida está seguro ou você escara um iceberg por dia?


O Titanic ia da Inglaterra aos EUA. O porto americano nunca foi alcançado, mas o barco da minha vida tem como destino um porto seguro. Enfrento tempestades em alto-mar, é claro. Meus icebergs são grandes. Mas a confiança está no Capitão.

O pobre Edward John Smith, capitão do Titanic, não pôde fazer mais do que afundar com seu navio, mas eu entreguei o controle do navio da minha vida ao Comandante Jesus há cerca de 10 anos e essa foi a minha melhor decisão. Meu barco não afunda.


Desde que tomei essa decisão, estou, por mim mesmo, sem saber qual é o próximo passo. É uma “insegurança segura”. Não saberia velejar. Não saberia viver por mim mesmo. Mas creio. Confio. Apenas observo e me maravilho ao perceber cada passo meu sendo guiado tão plenamente por Deus.

Spoiler Final. Seu 3G permitiu ouvir a música inteira? Captou a mensagem? O Titanic afundou, e Jack não contou com a solidariedade de Rose naquela porta imensa que claramente permitia duas pessoas em cima. Mas Jesus vai sempre estender a mão para salvar. Vai conduzir o navio da sua vida e levar você ao Céu. Embarque nessa também.

Para encerrar, reflita novamente (ou pela primeira vez, se sua internet é da TIM) nesses versos:

Depois que entreguei a Jesus o rumo da embarcação
Não tive mais medo das ondas do alto-mar.
Em breve irei atracar no mar onde a água é cristal,
E onde estarei para sempre liberto do mal.
Só então saberei como foi que Jesus até ali me guiou,
Só então saberei como foi que ele o barco salvou.

Não peço que concordem, espero que reflitam!

terça-feira, 21 de março de 2017

DEU ONDA


DEU ONDA
Airton Sousa - Direto de Florianópolis Paciência - Rio

Eu ouvi essa música na praia durante o Carnaval. Aliás, eu só ouvi essa música na praia durante o Carnaval. Aliás, se você passou o Carnaval em qualquer canto do Brasil, que não tenha sido um retiro espiritual, foi praticamente impossível não ouvir o hit ‘Deu Onda’.

Eu li por aí, que essa música teve mais de 30 milhões de views no youtube e que tem uma versão com palavrões e outra mais clean. As piadas referentes aos versos da música proliferam nas redes sociais desde o final do ano passado. Eu quis comentar que no meu tempo, sim, é que faziam músicas boas, mas aí iriam me chamar de velho, então eu fiquei quieto. Já me chamam por aí de velho chato...

Mas, sabe, enquanto eu pensava na música que está dando onda, eu me lembrava de um texto que escrevi aqui, nesta mesma época no ano passado. (Não precisa de link, pois vou repetir mais ou menos o que escrevi, viu, revisora-diretora?) Eu contei a história dos três jovens escravos em Babilônia. Você se lembra da história?

O Rei Nabucodonosor mandou fazer uma estátua que media vinte e sete metros de altura por dois metros e setenta de largura e ordenou que todos os habitantes e autoridades viessem à cerimônia de inauguração da estátua. Aí, o cerimonialista de plantão disse em voz alta:

— Povos de todas as nações, raças e línguas! Quando ouvirem o som dos instrumentos musicais ajoelhem-se todos e adorem a estátua de ouro que o Rei Nabucodonosor mandou fazer. Quem não se ajoelhar e não adorar a estátua será jogado, na mesma hora, numa fornalha acesa.

Assim, logo que os instrumentos começaram a tocar, todas as pessoas que estavam ali se ajoelharam e adoraram a estátua de ouro. Todos menos os nossos personagens, Sadraque, Mesaque e Abede–Nego. Ao saber disso, Nabucodonosor ficou furioso e mandou chamá-los.

— É verdade que vocês não prestam culto ao meu deus, nem adoram a estátua de ouro que eu mandei fazer? Pois bem! Vou dar uma nova chance. A orquestra vai tocar novamente. Será que agora vocês estão dispostos a se ajoelhar e a adorar a estátua, logo que os instrumentos musicais começarem a tocar? Se não, vocês serão jogados, na mesma hora, numa fornalha acesa. E quem é o deus que os poderá salvar?

Eles responderam assim:

— Ó rei, nós não vamos nos defender. Pois, se o nosso Deus, a quem adoramos, quiser, Ele poderá nos salvar da fornalha e nos livrar do seu poder, oh! rei. E mesmo que o nosso Deus não nos salve, o senhor pode ficar sabendo que não prestaremos culto ao seu deus, nem adoraremos a estátua de ouro que o senhor mandou fazer.

E foi dada uma segunda chance e novamente aquelas músicas tocaram e teve gente que nem esperou a introdução da música e já caiu ajoelhado. Nossos heróis, não; novamente eles não se ajoelharam.

Fico imaginando os três em pé, preparando uma selfie: #sónósempé!

A música determina o que você adora, mesmo que você decida pelo estilo “Zeca Pagodinho, de deixa a vida me levar” (ops, esse é do meu tempo).

Você sabe o final da história. O rei ficou furioso. Eles foram amarrados e jogados dentro de uma fornalha acesa e que estava aquecida sete vezes mais que o normal.

É aí que acontece a parte mais linda dessa história. Mesmo ameaçados de morte, eles não comprometeram suas crenças e ideologias. E nada de mau aconteceu com eles e Deus ainda providenciou um guarda-costas poderoso. (Leia em Daniel 3:24-25).

Minha ideia, hoje, não é analisar letra de música nenhuma, tampouco ditar regras sobre o que se deve ouvir ou não. Aliás, você é livre para ouvir o que quiser, não há lei contra isso.

O que você precisa se preocupar é com “o que te dá onda”. Aliás, também, se isto não preocupa você, também não tem problema nenhum, já que todos somos livres.

Mas se por acaso deu onda, então pense comigo. O que estamos esperando para abandonar velhas práticas e velhos hábitos que nos fazem mal e nos afastam daquilo que realmente importa?

Eu não sei o que você está esperando, mas... e se o que você está esperando nunca acontecer?

 

Gosto muito deste pensamento que vi na internet, atribuído a William Hersey Davis:

“As circunstâncias entre as quais você vive determinam sua reputação.
A verdade em que você acredita determina seu caráter.
A reputação é o que acham que você é, o caráter é o que você realmente é.
A reputação torna você rico ou pobre; o caráter torna você feliz ou infeliz.
A reputação é o que os homens dizem de você junto à sua sepultura; o caráter é o que os anjos dizem de você diante de Deus.”

Também gosto disto e repito aqui:

“Mas Deus quer mudar nosso nome aqui mesmo. Agora. De ‘inveja’ para ‘satisfação’. De ‘orgulho’ para ‘humildade. De ‘perfeccionista’ para ‘tolerante’. Ele deseja nos dar um novo senso de valores. Uma natureza renovada. Uma mudança de fé e de planos. Um novo caráter.
(Momentos de Graça, página 105 – Editora Casa Publicadora Brasileira - 2011)

Então, deu onda?